Menu
Veja também:

0. Geografia

Os textos abaixo são de autoria de Eliezer Ortolani Nardoto.

00. Introdução - Aspectos Geográficos

Situado no litoral norte do Estado do Espírito Santo, a sede do município São Mateus está distante de Vitória, capital do Estado, cerca de 220 km. Limita-se ao Norte com os municípios de Boa Esperança, Conceição da Barra e Pinheiros; ao sul com Linhares, Jaguaré, Vila Valério e São Gabriel da Palha; ao Oeste com Boa Esperança e Nova Venécia e ao Leste com Oceano Atlântico.
A sede municipal está a 37,7 metros de altitude (RN 1079 R - IBGE). Sua posição geográfica é determinada pelo paralelo 18° 42' 56" de latitude ao Sul, em sua interseção com o meridiano de 39° 51' 36" de longitude oeste - W Greenwich (marco no adro da Igreja Matriz).
A topografia é plana, predominando o latossolo vermelho amarelo distrófico, com fertilidade de média à baixa.
O clima é seco sub-úmido e a temperatura média anual varia entre (25° a 30° no verão) e (19° a 21º no inverno). O índice de precipitação pluviométrica varia entre 1400 e 1500 mm. As chuvas ocorrem mais fortemente entre outubro e abril, período em que chove de 1000 mm a 1100 mm, aproximadamente 75% do total anual.

01. Hidrografia de São Mateus

As bacias que compõem a paisagem hidrográfica de São Mateus são as do rio Barra Seca, rio Itaúnas e do rio São Mateus.
O rio Barra Seca nasce em Nova Venécia e, depois de percorrer 120 km, atravessa os alagados da Suruaca indo desaguar na enseada de Barra Nova e no rio São Mateus.
Dentro do município de São Mateus, fazendo parte da bacia do rio Itaúnas, se encontra o rio Preto ou Itauninhas, com extensão de 80 km.
Apresentamos, a seguir, pela ordem que entendemos ser de mais fácil compreensão, as bacias do Rio São Mateus e do Rio Barra Seca (Mariricu).

02. Rio São Mateus

É formado por dois braços: o rio Cotaxé ou rio do Norte, com 244 km de extensão, cuja nascente se localiza no município de Ouro Verde, em Minas Gerais, e o rio São Mateus ou Cricaré, ou ainda Braço Sul, com 188 km, com sua nascente localizada no município de Itajubinha, também em Minas Gerais.

03. Vale do Rio São Mateus ou Vale do Rio Cricaré

O vale do rio São Mateus forma uma das mais belas paisagens do estado do Espírito Santo.
O rio São Mateus era chamado pelos índios de rio "Kiri-Kerê" que pode ser traduzido como aquele que dorme, ou que é propenso a dormir, ou ainda dorminhoco, preguiçoso, pois é um rio caudaloso, próprio das planícies. Com o tempo foi sofrendo as influências da língua portuguesa e passou a ser chamado de rio Cricaré. Serpenteando por sobre o vale, desenha, por coincidência, as letras “S” e  “M”, iniciais do nome da cidade e do próprio rio.
Outrora servindo como única via de acesso, esse rio recebia embarcações que transportavam a produção de farinha, açúcar, madeira e café.
Nesse rio o pescado é abundante, principalmente o robalo, a traíra, o piau e o judeu, produzindo ainda mariscos como siri, camarão comum, o pitu e o camarão da Malásia.
Sua bela paisagem pode ser vista da Praça do Mirante, no centro da cidade, ao lado do Museu de São Mateus.

04. Cachoeiras do Rio São Mateus

Em todo o seu curso, desde as suas nascentes, o rio São Mateus veio escavando o seu leito até encontrar as rochas do Escudo Cristalino Brasileiro, onde forma várias corredeiras que receberam, erroneamente, o nome de cachoeiras.
Vamos citar apenas aquelas situadas dentro do município de São Mateus.

04.1. Cachoeira do Inferno

Fica próxima ao Km 47 da Rodovia São Mateus-Nova Venécia.
Tem grande beleza natural e área ideal para passeios ecológicos. Na verdade, é uma corredeira com cerca de mil metros de extensão, num vale estreito. O acesso é pelo antigo traçado da rodovia que passava margeando o despenhadeiro do vale do rio.
Segundo histórias contadas pelos antigos moradores, a denominação “Inferno” está ligada à existência no local, de um poço chamado “Caldeirão do Diabo” no qual, mesmo os mais hábeis dos mergulhadores que ali se aventuraram, jamais retornaram, com vida, a superfície.

04.2 Cachoeira da Jararaca

Está localizada entre as cachoeiras do Inferno e do Cravo. O acesso se dá pela mesma estrada da Cachoeira do Inferno. É a mais utilizada como balneário.

 

04.3 Cachoeira do Cravo

Fica a aproximadamente 3 km da sede do Distrito de Nestor Gomes - Km 41. Nesse local o Barão de Aymorés montou sua primeira fazenda.
Antes de receber o título de barão, o fazendeiro Antônio Rodrigues da Cunha, filho do Comendador Antônio Rodrigues da Cunha, na segunda metade do século XIX, desbravou essa região, implantando sua fazenda com maquinários trazidos da Escócia e tocados pela força gerada pelas águas represadas nessa cachoeira.
Com muita dificuldade, ele e seus descendentes transportavam os seus produtos (açúcar e depois o café) em grandes canoas (vogas) pelo rio, até chegar ao porto de São Mateus. A cachoeira do Cravo é a primeira cachoeira encontrada rio acima.

 

04.4 Cachoeira do Córrego da Areia

Essa cachoeira está situada no córrego da Areia, um afluente do rio Cotaxé, ou Rio do Norte, próxima à divisa de São Mateus com os municípios de Nova Venécia e Boa Esperança. O acesso é pela estrada que liga o Cachoeira do Cravo a Boa esperança.

05. Micro-Bacias do Rio São Mateus

05.1. Rio Preto

Nasce em São Mateus, próximo da sede do distrito de Nestor Gomes. É formado pela junção dos córregos Grande, Areia, Cerejeira e braço sul do rio Preto. Recebe outros pequenos afluentes e deságua no rio São Mateus, entre a sede da cidade e o rio Mariricu.
A partir da década de 1970, esse rio de águas escuras, típico das regiões de turfas, passou a ser um balneário freqüentado pelos banhistas que, na volta da praia de Guriri, ali faziam a parada para tirar o sal do corpo.
Encontramos atualmente nesse local dois barzinhos e uma área de camping com boa infra-estrutura.

05.2. Córrego do Bamburral

O córrego Bamburral nasce também próximo à sede do distrito de Nestor Gomes e deságua no rio Cricaré, próximo ao bairro Santa Terezinha, na cidade de São Mateus.
Os primeiros imigrantes italianos receberam lotes de terras em seu vale para assentarem suas famílias que, até os dias atuais, se mantêm com suas pequenas propriedades cultivando o café, principalmente.

05.3. Córrego Ribeirão Preto e Pedra D'água

O Córrego do Ribeirão, ou simplesmente Ribeirão, está situado na área urbana da cidade.
Nasce em São Mateus, próximo ao bairro Aroeira. Nas imediações do bairro Bonsucesso é conhecido com o nome de córrego Abissínia. Próximo ao bairro Sernamby recebe as águas do córrego Malaquias (Vila Nova). A partir daí é conhecido como Ribeirão.
Depois do bairro Forno Velho recebe as águas dos córregos da Bica e Forno Velho. Na planície costeira, quando termina a formação barreira, recebe o nome de córrego Pedra D Água. Na localidade de mesmo nome deságua no rio Cricaré.
Os córregos Seco, da Estiva e dos Cavalos vão formar o córrego do Chiado que deságua no rio Cricaré, entre o córrego Pedra D Água e o rio Preto.

 

05.4. Córrego da Bica

O córrego da Bica tem suas duas nascentes no centro da cidade de São Mateus: uma no terreno do Clube Ouro Negro e outra nas imediações do prédio da Caixa Econômica Federal. Esse córrego tinha águas cristalinas e foi o primeiro manancial de água potável utilizado pelos índios e pelos primeiros colonizadores. Um pouco abaixo da primeira nascente citada foi construída na década de 1940, pela Prefeitura, uma barragem para abastecimento de água da cidade.
Antes, porém, os moradores se utilizavam das bicas da segunda nascente. Delas, os carregadores (escravos e, depois, trabalhadores livres) apanhavam água que vendiam aos moradores, em baldes ou em tonéis que levavam em carroças ou rolando ladeira acima.

05.5. Rio Barra Seca e o Rio Mariricu

O rio Barra Seca nasce “ nas faldas da parte final da Serra do Pega-Bem”, em Nova Venécia e, depois de percorrer cerca de 120 km, entra em terrenos pantanosos na região de fronteira entre São Mateus e Linhares, conhecida como Suruaca. Atravessa essa região e, por 25 km (17 em linha reta) segue em direção ao norte até desaguar na enseada de Barra Nova e no Rio São Mateus. (MORAES. Cícero. Geografia do Espírito Santo. Vitória: Fundação Cultural do Espírito Santo, 1974. p.13)
Os afluentes mais importantes do rio Barra Seca são os córregos do Jundiá, do Caximbau, da Água Limpa, dos Macacos e do Veludo.
Até o final do século XIX, a área desse pantanal atingia cerca de 120 mil hectares. Era conhecida como Pantanal da Lagoa Suruaca.
Como não existia uma barra para esse rio no mar, ele ficou conhecido como rio Barra Seca, pois a vazão das suas águas e as águas da lagoa e do pantanal da Suruaca acontecia apenas pelo rio Mariricu, que deságua no rio São Mateus.

05.6. Rio Mariricu

Afluente do rio São Mateus, o rio Mariricu fica na aprazível região que tem o mesmo nome, separando a ilha de Guriri do continente.
É propício para passeio de barco e pesca de linha.
Mariricu é uma corruptela do termo tupi marerike, que significa fortaleza ou paliçada. Os índios erguiam-nas para se defender de invasões. Existiam várias ao longo do rio Cricaré, na época da colonização do Brasil.

06. A formação da enseada de Barra Nova

O Comendador Reginaldo Gomes dos Santos, primo do Barão dos Aymorés, obteve a informação que, em determinado ponto, o rio Mariricu se aproximava muito do litoral e, no período de enchentes, nesse local se abria, naturalmente, uma barra para dar vazão às águas do Nativo e da Suruaca.
Como era um homem importante em São Mateus e gozava de prestígio junto ao Imperador, conseguiu empreender uma obra grandiosa para a época: abrir um canal ligando o rio Mariricu ao mar, dinamitando a formação de recifes que acompanha a costa, criando assim nova barra.
A obra foi realizada com mão-de-obra escrava, no ano de 1866.
A essa nova abertura foi dado o nome “Barra Nova” cuja finalidade era esgotar as águas da região pantanosa da Suruaca e do Nativo, para o aproveitamento das terras férteis, para a expansão da pecuária. Outra intenção era a de construir um novo porto para São Mateus, por causa da dificuldade de navegação na entrada da foz do rio São Mateus, em Conceição da Barra. (AGUIRRE, Araújo. Cidade de S. Matheus. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, Vitória, Anno IV, nº IV, 1925, p. 9-19.)
Assim, o volume de água dessa região foi diminuindo e os fazendeiros foram ampliando suas fronteiras para dentro das áreas pantanosas.
Barra Nova possui uma característica peculiar: a formação de recifes favorece a farta produção de sururu. Também são encontrados peixes e mariscos, em abundância.
Esse balneário já conta com pousadas, bares e pequenos restaurantes que servem peixes fritos, mariscos e frutos do mar.

07. Manguezal de Barra Nova

A 30 km do centro de São Mateus, um rio de águas escuras e vários canais fazem caminho no meio de uma vegetação exuberante formando uma grande área de mangue que protege a vida dos caranguejos, goiamuns e outros mariscos. O acesso pode ser feito através da estrada para Barra Nova e também pela estrada do Nativo.

08. A Ilha de Guriri

Com a abertura da nova barra (Barra Nova) ficou criada a ilha de Guriri, a maior do Estado do Espírito Santo, limitada pelos rios Mariricu e São Mateus e pelo Oceano Atlântico, com 102 quilômetros quadrados.
A parte norte da ilha de Guriri pertence ao município de Conceição da Barra. Aí estão localizados os pequenos lugarejos de Meleiras, Quadrado e Barreiras, locais antes habitados por índios tupinambás. Seus moradores, remanescentes dos indígenas e dos primeiros colonizadores brancos, ainda guardam muito dos traços físicos e da cultura indígena.
Esses lugarejos estão localizados às margens do rio Cricaré e já contam com serviços de bar e restaurantes, onde são servidas moquecas e frutos do mar.
A parte sul pertence ao município de São Mateus. Nela encontramos uma grande área urbana, denominada Guriri, com uma extensão de aproximadamente 8 km de praia, iniciando ao norte na divisa com o município de Conceição da Barra (uma linha imaginária perpendicular à praia em direção ao ponto onde o rio São Mateus toma o rumo norte, próximo à foz do rio Mariricu) e terminando ao sul, após o loteamento Parque dos Albatrozes.
Seguindo em direção ao sul encontramos as praias denominadas como: praia do Oitizeiro, praia do Brejo Velho, praia do Ranchinho e a praia da Gameleira. Todas agrestes e com área de restinga. A última na ilha de Guriri é a praia de Barra Nova.
São Mateus tem 43 km de costa com praias de águas limpas, mornas e sem nenhum tipo de poluição, o que atrai muitos turistas.
Praia de Guriri é assim chamada por causa da existência de grande quantidade de pequenos coqueiros que os índios chamavam “guriri”, que quer dizer “coco pequeno”.
São Mateus tem 43 km de costa com praias de águas limpas, mornas e sem nenhum tipo de poluição, o que atrai muitos turistas.
Praia de Guriri é assim chamada por causa da existência de grande quantidade de pequenos coqueiros que produzem caixos de pequenos cocos que os índios chamavam “guriri” (coco pequeno).

09. Ilha de Campo Grande

Atendendo a vontade dos fazendeiros de Linhares e São Mateus, ávidos pela ampliação de suas fronteiras, no final da década de 1930 a Prefeitura de São Mateus abriu um canal ligando a lagoa Suruaca ao rio Ipiranga, no ponto (19º 5 lat. s) próximo de sua foz, na praia de Uruçuquara. No entanto, o cordão de recifes escondido sob a areia tornou a obra muito dispendiosa para a prefeitura.
A abertura foi concluída pelo agrimensor Eugênio Neves Cunha, em 1959, e as águas da Suruaca baixaram ao nível da preamar, descobrindo muitas terras. (NARDOTO, 2004, p.22).
Essa nova intervenção na Natureza deu origem a mais uma ilha artificial: a ilha de Campo Grande, com 11 km quadrados, limitada pelo rio Barra Seca, o Oceano Atlântico, a Barra Seca, a vala da Suruaca e a parte baixa do rio Ypiranga. (MORAES, 1974, pág. 14)
O acesso rodoviário pode ser feito usando a rodovia São Mateus-Nativo, seguindo depois até alcançar a praia. Atualmente, a melhor via de acesso é a rodovia da Estação Petrolífera de Fazenda Cedro. A Petrobras está realizando a obra de pavimentação asfáltica dessa rodovia que dá acesso ao Terminal Norte Capixaba. O seu início é no km 86 da Rodovia BR 101, próximo à localidade de Palmito.
O local é freqüentado por surfistas e pessoas que desejam encontrar repouso e tranqüilidade. Para maior conforto dos freqüentadores existe uma boa pousada no local.

10. Praia de Uruçuquara

A praia de Uruçuquara mostra os recifes costeiros onde as ondas provocam um belo espetáculo em suas rebentações. Localiza-se próxima a divisa com o municipio de Linhares e está distante da sede do municipio de São Mateus cerca de 60 km.

Home | Topo

                   

Home | Jornal | Turismo | História | Geografia | Cultura | Economia | Memorial | Notícias | Contato Visite