Menu

0. Patrimônio

Os textos abaixo são de autoria de Eliezer Ortolani Nardoto.

01. O Povo Mateense

O povo do município de São Mateus foi formado, no decorrer dos quase quinhentos anos de história, pela miscigenação entre pessoas das três cores da raça humana. A base da formação é o elemento indígena, de troncos lingüísticos diferentes (tupi e macro-gê), habitante nativo, da cor amarela. Com ele aconteceu a primeira mistura racial, entre o branco colonizador português e a índia.
Nos processos de colonização, o mais comum é quem domina contribuir com o elemento masculino enquanto que o dominado contribui com o elemento feminino. Assim, as índias passaram a ser a mães dos primeiros brasileiros.
A utilização da mão-de-obra escrava trouxe para São Mateus milhares de negros, de várias nações e tribos africanas, que passaram a ser maioria no município, desde o final do século XIX até o final do século XX. Também nesse caso o colono branco que era dominante contribuiu com o elemento masculino. São poucos os casos em que o dominado contribui com o elemento masculino.
No final do século XIX chegaram os primeiros imigrantes italianos para também contribuir com a formação do povo de São Mateus. De outras nacionalidades vieram poucos, como foi o caso dos libaneses, judeus, espanhóis e outros.
A partir da década de 1970, com a implantação dos projetos florestais e de exploração de petróleo, o município passou a receber novos elementos, vindos de várias partes do Brasil, principalmente de Minas Gerais e da região Nordeste. Em sua maioria observamos fortes traços indígenas. 
A população urbana da sede do município aumentou em 600%. Passou de 10.680 (Censo IBGE, de 1970) para 77.112 pessoas (76,31% de 101.051, que é o total da população do município, conforme estimativa do IBGE para 2006).
Atualmente estamos observando uma diminuição do número de negros e um enorme crescimento da população mestiça, principalmente aquela formada pela miscigenação do branco com o índio e com o mulato, o que forma uma população com uma coloração moreno-acobreada, ou seja, uma população cabocla.
A contribuição de cada um desses elementos ajudou a formar um povo rico em tradições, alegre nas suas manifestações, amigável em suas relações e receptivo aos novos elementos que vão chegando para contribuir com a formação desse “Caldeirão Cultural” que é São Mateus, um dos municípios que mais representa a cultura brasileira.

02. Contribuições Indígenas

Para a formação do povo, a cultura indígena foi a que mais influenciou, posto que os habitantes nativos muito bem conheciam o paraíso em que viviam.
O hábito que os índios possuíam de banharem-se nos rios, nos córregos, nas praias passou para todos nós. Na culinária, os produtos derivados da mandioca (farinha, beijus, tapioca, bolos) fazem parte da nossa mesa. A caça, a pesca e o extrativismo vegetal influenciaram toda a gastronomia do nosso município, como aconteceu em todo o Brasil. Citamos alguns produtos da extração vegetal: palmitos, temperos (aroeira), frutos (caju, mangaba, cambucá, pitanga, araçá, jenipapo e outros frutos nativos), o amendoim, o milho e tantos outros produtos utilizados em todo o Brasil.
No artesanato, boa parte dos utensílios domésticos é de origem indígena, como as esteiras, redes, artefatos para pesca (jiqui, jiquiá, e tantas outras armadilhas para pesca e caça). Fabricados em cerâmica temos panelas, potes, jarros e outros artefatos.
Na língua portuguesa foram incorporados diversos nomes da língua indígena, como também foram assimiladas pelo colonizador as danças, os cantos e as crendices.

03. Contribuição dos Outros Elementos

Os negros, os portugueses e os italianos também contribuíram bastante. Os portugueses, elemento colonizador, impuseram muitos de seus costumes e de sua cultura, como é o caso da língua, da religião, das roupas, do comércio, construções e de outras atividades econômicas. Os negros deram sua contribuição ao folclore, à religião, à gastronomia e à música. Os imigrantes italianos contribuíram na gastronomia, religião, construções e nas atividades agrícolas e comerciais.
Toda essa riqueza cultural acumulada durante todo esse tempo é denominada “Patrimônio Cultural”, que pode ser material ou imaterial. O patrimônio material foi citado no capítulo em que mostramos nossos atrativos turísticos e culturais.  Agora, nesse capítulo, vamos mostrar um pouco do nosso Patrimônio Cultural Imaterial, ou seja, aquele ligado ao saber fazer, ao conhecimento popular.

04. Folclore

O folclore de São Mateus é muito rico em manifestações. Elas estão ligadas à religiosidade do povo, quer seja em relação à religião cristã, principalmente a católica, quer seja em relação às religiões que eram praticadas pelos índios e pelos negros.

Jongo: "É uma espécie de samba de roda do qual participam homens, mulheres e crianças que cantam ao ritmo dos tambores (atabaques) e reco-recos (ganzás) confeccionados artesanalmente pelos próprios componentes do grupo".
O grupo mais antigo e mais importante é o Jongo de São Benedito(2ª, 7ª, 8ª e 9ª fotos abaixo), cuja tradição remonta aos terreiros dos tempos da escravidão. Foi reconhecido como patrimônio histórico imaterial do Brasil. O Jongo Menino Jesus de Praga, depois da morte do mestre Pedro Geraldino, vem se apresentando esporadicamente.
Existem outros pequenos grupos espalhados pelo interior, como o Jongo de Campo Grande, Jongo das Barreiras (Conceição da Barra) e um grupo de jongo que está se originando do Reis de Boi de Maria Justina (1ª foto abaixo), no Sapê do Norte.

Reis de Boi: Manifestação popular do folclore religioso que é apresentada em São Mateus, há mais de trezentos anos. Sua origem é do Teatro Medieval de Rua, da Península Ibérica. (3ª foto: Reis de Boi de Paixão e Cimar Romário) (4ª foto: Reis de Boi de Juca).

Capoeira: A Capoeira de Angola era muito utilizada pelo negros como arma de defesa, na época da escravidão. Atualmente existem diversos grupos de capoeira que se reúnem no município, destacando-se: "Grupo de Capoeira Dendê", do Mestre Piau; "Acarbo", do Contra-Mestre Fuepa; "Associação Descendente do Pantera", do Professor Índio; "Raça Viva", do Professor Borracha; "Associação de Capoeira Força Negra", do Professor Quinho e Grupo de Capoeira Cricaré, do Mestre Biratinha. Veja 5ª e 6ª fotos abaixo.

05. Música

A mais forte expressão da arte em São Mateus se manifesta por meio da música, começando pelas composições dos grupos folclóricos indo até os grupos de rock e de MPB. O espaço musical mais importante, sem dúvida, é a Lira Mateense, entidade com cem anos de funcionamento, que é responsável pela formação da grande maioria dos músicos mateenses.
Sociedade Musical Lira Mateense: Os ensaios são abertos ao público e acontecem nas terças e quintas-feiras. A Lira Mateense se apresenta em solenidades e datas festivas.
Banda da Igreja Assembléia de Deus: Formada a partir do trabalho desenvolvido pelo maestro Oraldo Coelho, na década de 1980, essa banda é composta por membros dessa igreja, quase todos formados pela Escola de Música da Lira Mateense.

Acústica: Localizada na Avenida 31 de Março, bairro Dom José Dalvit, oferece aulas de instrumento e iniciação musical. Realiza bimestralmente o projeto "Arte na Sexta", na sede da Lira Mateense. Anualmente, na semana do dia 22 de novembro, a Acústica vem realizando uma semana de apresentações musicais intitulada "Sómusica", reunindo trabalhos de vários músicos do município.

Corais: Além de inúmeros corais de igrejas católicas e evangélicas, existem os corais das escolas: "As Meninas Cantoras de Nova Esperança", "Coral do Programa de Crianças da Petrobrás", Coral Cantochão (Projeto Araçá), "Coral Cantarte" (Lira Mateense), "Coral da Escola Alternativa", grupo musical "Nostrium" clássico.

Forró: São vários os grupos mateenses de forró: "Nó de forró", "Forró Cipó", "Estrela do Norte", "Girassóis", "Forró Cerol", "Borba Gato".

Pagode: O Número de grupos de pagode vem aumentando, ultimamente. Os mais destacados são "Simplicidade", "Kidelírio".

Música Popular Brasileira: Os gupos que se apresentam com música popular brasileira podem er vistos em shows e em apresentações em barzinhos: "Boca do Lixo", "Amigos do Choro", "Diapazão", "Fábio e Jojoca", "Marcelo Carvalho", "Paulinho Show", "Kaká", "Bodico".

Pop-Rock: "Banda Rudá", "Banda Fulgore", "STzero".

Bandas de Axé e Forró: Várias bandas se formaram no município nos últimos anos, alcançando sucesso em nível nacional e internacional. Atualmente a banda de maior expressão é a "Banda Cachamel" e a banda "Chapahalls", sendo que essa última já realizou duas apresentações nos Estados Unidos. A "Bandoásis" também é conhecida em vários estados brasileiros, como são também conhecidas as bandas "Black-Out", "Chocolate & Cia", "Long-Dong", "Planeta Banana", "Seligaí", "Swing Batiffun", "Nó de forró" e outras.

Rap: O grupo de maior destaque é o "MC Adilson".

06. Dança

Academias, escolas e clubes sociais dispõem de espaços e profissionais para ensinar dança. São oferecidas aulas de dança, destacando-se o jazz, dança de salão e a dança popular com aulas ministradas pela professora e bailarina Monique Cruz, em seu Studio de Dança. No final de cada ano, na primeira quinzena de dezembro, essa professora reúne o trabalho desenvolvido durante o ano num grande espetáculo denominado "Espetáculo Anual de Dança " com temas diferentes para cada ano.
O "Grupo de Capoeira Dendê", do Mestre Piau, com sede num casarão do Porto de São Mateus, ensina e apresenta as danças "Maculelê", "Samba de Roda" e "Puxada de Rede". Em torno desse grupo de capoeira acontecem várias atividades culturais.
O grupo "Swing de Rua" vem apresentando também a dança do Maculelê e a dança de rua "Hip Hop", em várias escolas e praças, sendo que a sua escola sede é a Ceciliano Abel de Almeida (Colégio Estadual).

07. Teatro

Vários grupos de teatro mantêm-se ativos no município. O Festival Nacional de Teatro FENATE acontece no segundo semestre, no mês de julho. Atualmente o grupo de maior expressão é o "Ascensão", responsável pela montagem anual do espetáculo "Paixão de Cristo", no bairro Santa Tereza.
Grupos em atividade: "Cia Continuada Daqui pra Frente" (Oscar Ferreira). "VIII Dinastia" (Marcelo Cruz), "Improarte Teatro Infantil" (Jonas Bonomo), "Épico Grupo de Teatro" (Luiz Costa), e "Grupo de Teatro Ascensão" (Comunidade de Santa Tereza).

Espaços: Teatro Largo do Chafariz e Cine Teatro Shopping Porto de São Mateus. As fotos abaixo são de apresentações de diversos grupos no FENATE..

08. Artes Plásticas

Muitos são os artistas plásticos que vivem de sua produção. A "Sala Ciro Sodré" é um espaço para exposição e venda de trabalhos. Fica localizada no Porto de São Mateus.

Euclides Rampineli Filho utiliza a técnica do "cubismo" no estilo "naif", usando a temática cultural que retrata a cultura afro-brasileira
Reuto Fernandes foi um dos grandes nomes do primitivismo (arte naif) do Espírito Santo, tendo participado de exposições a nível nacional, inclusive sendo premiado na Bienal de Arte Naifs do Brasil, em 1998. Faleceu em 2009, em São Mateus.
Hermínia Maria Freitas Lozer (Minoca), Marco Lobo, Maria Lúcia Ferreira, Joarlete, Jonathan e outros artistas realizam grandes trabalhos artísticos.

09. Artesanato

O artesanato tradicional mateense é mais voltado para as cestarias, peneiras, trançados, esteiras e outros produtos com fins utilitários, sendo sua maioria de origem indígena.
Panelas de barro e outras peças em cerâmica são produzidas por Dona Antônia e seus familiares. Ela, uma artesã com mais de 90 anos, ainda se mantém em plena atividade em sua casa às margens da rodovia Othovarino Duarte Santos (São Mateus - Guriri), no bairro Pedra DAgua. Sua neta Hozana também realiza vários trabalhos em cerâmica.
O número de artesãos vem aumentando nos últimos anos, o que traz em consequência a oferta dos trabalhos artesanais que estão sendo expostos na Casa do Artesão, nos projetos "Arte na Praça", "Feirinha de Guriri" e em eventos diversos.
Tanto em Guriri como em São Mateus, podemos encontrar artesanato nessas feirinhas: bordados, trabalhos manuais em crochê, pinturas em tecidos e porcelanas, bijuterias, peças decorativas, trabalhos em metais, bonecas e pinturas em telas. Citamos abaixo alguns espaços importantes:

Casa do Artesão: Localizado num casarão do Sítio Histórico do Porto de São Mateus, este espaço oferece artesanato tradicional. Funciona de segunda a sábado, das 13 às 17 horas.

Projeto Arte na Praça: Reúne na Praça Mesquita Neto o que há de mais tradicional em termos de artesanato, gastronomia e manifestações artísticas. Funciona aos sábados e domingos, das 16 às 22 horas.

Projeto Araçá: É considerado um dos melhores projetos de inclusão social do município e já conhecido nacionalmente. Nesse espaço, adolescentes que vivem socialmente em risco, conseguem descobrir e desenvolver suas potencialidades, produzindo trabalhos artesanais que fazem sucesso até em mostras nacionais.

10. Gastronomia

As moquecas, o caranguejo e a pescadinha frita, são pratos muito apreciados no município. A mais famosa, a Moqueca de Robalo, é encontrada nos maiores restaurantes de Guriri e São Mateus. A Moqueca de Judeu, famosa entre as famílias tradicionais, dificilmente é encontrada em restaurantes. Só mesmo em residências dessas famílias.
O bolo de aipim, os beijus e pamonhas e outros produtos fabricados com tapioca são o ponto forte da culinária de São Mateus. Os beijus podem ser encontrados no Mercado Municipal, principalmente nos dias de sexta-feira e sábados, quando muitos agricultores vêm do interior para vender seus produtos. Doces, cocadas e licores completam as delícias da gastronomia mateense. Na Praça Mesquita Neto, aos sábados e domingos, no "projeto Arte na Praça" podemos experimentar uma grande variedade da gastronomia mateense.

11. Clubes e Cerimoniais

Centro Recreativo Ouro Negro: Localizado na Av. Jones dos Santos Neves, no bairro Sernamby, esse clube atualmente é sede do Lions Clube São Mateus Cricaré, que nele desenvolve trabalhos sociais: Campanha da Visão, trabalho com a terceira idade, entre outros além de cerimônias e bailes sociais.

CEPE - Clube dos Empregados da Petrobrás: Está localizado na Rodovia Othovarino Duarte Santos, Km 2, bairro Universitário, em São Mateus. Oferece atividades esportivas, sociais e culturais.

Restaurante Rampinelli: Grande espaço para acontecimentos sociais e culturais. Localizado na Praça São Benedito Centro - Antigo Restaurante Rincão.

Bailão do Chico: Localizado na Av. 31 de Março, bairro Dom José Dalvit, oferece bailes populares.

Al Mar: Clube localizado na Avenida Oceano Atlântico, em Guriri, oferece noites dançantes nos finais de semana.

Camurupim Clube da Ilha: Localizado na zona sul do balneário de Guriri, oferece programação desportiva ligado à pesca, durante todo o decorrer do ano.

Guriri Beach: Localizado na zona norte do balneário de Guriri, tem excelente parque aquático. É muito freqüentado durante todo o ano. www.guriribeach.com.br

12. Espaços Literários

Biblioteca do Pólo Universitário de São Mateus: Localizada na Avenida João XXIII no prédio do Pólo Universitário (CEUNES).

Biblioteca Municipal Porto de São Mateus: Localizada no Sítio Histórico do Porto de São Mateus.

Museu de São Mateus: Localizado na Praça Municipal.

13. Cinema e Teatro

Cine Teatro Shopping Porto de São Mateus. Localizado na Praça São Benedito, no centro da cidade, exibe sessão de cinema todos os dias.

14. Símbolos Municipais

14.1. Bandeira Municipal

Foi criada pelo Projeto Lei nº 291 de 10 de setembro de 1963, na administração do prefeito Roberto Arnizaut Silvares.
Suas cores são  verde e  azul. Tem no centro um emblema representando o Padre José de Anchieta e o índio Aimoré, ladeados por ramos de café.

14.2. Brasão Municipal

A Colonização do município, a catequização dos índios pelos jesuítas, as riquezas naturais e os principais ciclos econômicos são os elementos que compõem o brasão do município de São Mateus. Os anos de 1544 e 1848 que aparecem na faixa, lembram a chegada dos portugueses em São Mateus e a data em que a vila recebeu foros de cidade. (3 de abril de 1848: criação do município de São Mateus).

14.3. Hino Municipal

A letra é de autoria de Horaldo Coelho e a melodia de Adalgizo Serrano. Ambos foram músicos da Lira Mateense.

"Espledor de maravilhas
Pavilhão de justiça e amor
Tem a glória no passado
Sua história e tanto louvor!
Seu progresso nasce
Seu futuro é de projeção
São Mateus é um presente
pra toda nação!

14.4. Hinos Religiosos

O primeiro abaixo, por ser mais difícil de cantar, caiu em desuso logo após a composição do segundo, que foi adotado pelos devotos e é cantado nas missas e na procissão do Padroeiro do município, realizadas nos dias 21 de setembro.

14.4.1. Hino a São Mateus

Hino a São Mateus:
Letra e música: Joaquim Bernardo Falcão Filho - juiz de Direito da Comarca de São Mateus (1912).

Como pronto não temestes
Dos mundanos o rancor
Fazei que tudo afrontemos
para seguir ao redentor.

Glorioso São Mateus
Que seguistes a Jesus
Protegei este pedaço
Da terra de Santa Cruz.

De publicano que éreis
Grande Apóstolo vos tornastes
Escrevendo Evangelhos
Vossa fama proclamastes
Ah!Ah!Ah!Ah!Ah! astes

Glorioso São Mateus...

Os mateenses imploram
Cheios de santo fervor
Vosso auxílio poderoso
Ante o trono do senhor.

Glorioso São Mateus...

14.4.2. São Mateus, Nosso Santo Protetor

São Mateus, Nosso Santo Protetor:
Letra e música: João Nardoto Filho.

São Mateus, São Mateus
Nosso Santo protetor
Ele renunciou ao mundo
Para ser um servidor
E a vida de Jesus
No Evangelho anunciou.

Aqueles que ouviram
Procuraram descobrir
O que Mateus quis transmitir.
Viviam em comunidade,
Na justiça e na verdade
E seus bens procuravam dividir.

Aqui na sua cidade
Tem uma igreja de verdade
Que a Mateus quer imitar:
Grita contra a injustiça
E reprova a opressão.
Convidamos vir a ela se ajuntar.

Aqui os pobres se reúnem
Refletindo seus problemas,
Procurando a libertação.
Vamos todos ajudar
E deixar de explorar,
Que Mateus quer
Uma cidade de irmãos.

Não cruzemos nossos braços
Neste mundo de problemas
Que os cristãos têm que resolver.
Enfrentemos mateenses,
Com coragem, na verdade
Procurando no Evangelho
O que fazer.

14.4.3. Luar de São Mateus

Luar de São Mateus:
Joel Guilherme

A gente olha de horizonte a horizonte
Sem ver sequer um monte
Pro cenário empanar

Por sobre o vale o rio em curvas serpenteia
Enquanto a lua cheia
Banha tudo de luar

E a procissão de estrelas vai no firmamento
Passando em deslumbramento
Qual milagre de Deus

Quem nunca viu,
Quem não sentiu tanta grandeza
Se extasia ante a beleza
Do luar de São Mateus

São Mateus, minha cidade!
Só por esse seu luar
Quem partiu leva saudade
E de saudade há de voltar (bis)

Murmura o vento
Na folhagem qual cascata
E em tudo há serenatas
de acordes divinais

Brindando a lua
Que se mira lá no rio
Prateando o casario
Dos tempo coloniais

Na franja do planalto
acenam os coqueiros
Como gestos derradeiros
De quem nos dissesse adeus.

É tudo um sonho, colorido de bonança
Que não sai mais da lembrança:
O Luar de São Mateus.

Home | Topo

                   

Home | Jornal | Turismo | História | Geografia | Cultura | Economia | Memorial | Notícias | Contato Visite